Destaques


Família acolhedora comemora cinco anos pregando o amor

17/10
2018




O Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora reuniu na noite de ontem (16), no Barracão da Estação Idoso, famílias acolhedoras, famílias substitutas, famílias extensas e famílias de origem para celebrar cinco anos de execução desta modalidade de acolhimento institucional em Piracicaba. Crianças acolhidas, desacolhidas, com novas famílias, com as famílias antigas, com tios, tias, avós, primas, primos, irmãos de coração, irmãos de sangue brincaram a noite inteira em estações com brinquedos próprios para diferentes idades e ainda comeram um delicioso lanche preparado pela equipe da Família Acolhedora e da Smads (Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social). Uma verdadeira confraternização marcou a noite, que começou com uma solenidade de abertura, seguida de apresentação de vídeos lembrando a história do serviço ao longo dos cinco anos, do coquetel e de bolo para comemorar o aniversário. Presente na solenidade, a Secretária Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Eliete Nunes, estava só felicidade. Eliete lembrou de quando assumiu a pasta e foi sensibilizada pelos técnicos da secretaria sobre a implantação desta modalidade de acolhimento, que ela crê ser a modalidade de acolhimento que mais promove o desenvolvimento social, psicológico e físico das crianças, porque lhes oferece uma família que cuida da criança e do adolescente enquanto o acolhido e a família de origem passam por acompanhamento. “É um projeto de amor, de mudar a vida e os destinos das crianças acolhidas. A Smads acredita neste modelo de acolhimento e por isso o implantou, mas ele só existe porque existem vocês (família acolhedora)”. Valdinessa Simões, acompanhado do marido Fábio Simões, que há cinco anos é uma família acolhedora, e já acolheu seis crianças “que tiveram finais felizes”, foi escolhida para falar em nome das famílias. “Não tem recompensa maior do que ver estas crianças se desenvolvendo. Nós recebemos muito mais do que nós doamos. O amor que recebemos deles não tem preço. Nós somos uma grande família, que exala amor. Este é o propósito: estarmos presentes no momento que a criança mais precisou e ficamos gratos por fazer isso”. Também presente na solenidade, o vereador Pedro Kawai também enalteceu o trabalho do serviço e das Famílias. “Graças a vocês estas crianças estão tendo chances de desenvolvimento”. Donizeti Joaquim, outro pai de família acolhedora, explicou da satisfação em poder cuidar destas crianças que precisam das famílias num momento da vida delas. Joaquim estava na festa junto com a criança que acolhe no momento. Ele já está no segundo acolhimento “É um prazer desenvolver este trabalho, que eu não sei nem explicar para você. Nós ainda recebemos aos finais de semana a primeira criança que acolhemos, porque conseguimos manter um relacionamento com a família extensa que ficou com a guarda. É uma alegria desenvolver este trabalho, cuidar destas crianças e lhes ofertar amor”.
Família Acolhedora - O serviço de acolhimento em Família Acolhedora é um serviço público com a finalidade de proporcionar acolhimento familiar a crianças e adolescentes que necessitem ser afastados de sua família de origem em decorrência de medida de proteção por determinação judicial. Atualmente o serviço tem 19 famílias acolhedoras cadastradas e oito delas estão com crianças ou adolescentes acolhidos. Durante todo período de acolhimento, tanto a família acolhedora como a família de origem são acompanhadas por uma equipe técnica especializada, para orientação e apoio psicossocial. As famílias cadastradas devem ter disposição afetiva e emocional para acolherem uma criança sem o intuito de adotá-la, já que entre as condicionantes para ser uma família acolhedora é não estar na lista de pretendentes para a adoção. São outros condicionantes para se candidatar a ser uma família acolhedora ser maior de 25 anos, ter uma diferença mínima de 16 anos do acolhido, morar em Piracicaba, sem perspectiva de mudança nos próximos três anos; ser idôneo e com boa saúde física e mental; não possuir no seu núcleo familiar pessoa com problemas psiquiátricos ou dependência de álcool e outras drogas; possuir disponibilidade para participação sistemática do processo de capacitação e seleção, além de outras eventuais atividades no serviço e ter a anuência de todos os membros da família, que deve ser manifestado por documento escrito.
Histórico - Sua história começou com decisão de implantação desta modalidade de acolhimento no município. Para a implantação, a Smads, então Semdes, visitou outros municípios que há tinham o serviço. Após as visitas, foi elaborada lei pelo executivo para implantação, aprovada pela Câmara de Vereadores e o seu lançamento aconteceu em festa realizada no dia 12 de outubro de 2013, na estação da paulista. Coube à Smads selecionar e capacitar as primeiras famílias. Em 2014 o serviço foi assumido pela Pasca (Pastoral do Serviço da Caridade) e o primeiro acolhimento aconteceu em maio daquele ano. A Pasca seguiu desenvolvendo o serviço em parceira com a Smads até o final de 2017, quando o serviço voltou a ser totalmente público, desenvolvido por servidores públicos , em sede própria. A sede do serviço está localizada na Rua Coronel João Mendes Pereira de Almeida, 200 – Nova América.
Centro de Comunicação Social Sabrina Rodrigues Bologna: 31076



  • 2447
  • 2448
  • 2449